Desafios de Gestão das Organizações frente à Transformação Digital em 2022

Assim como as empresas e organizações de uma forma geral, o Terceiro Setor tem os seus desafios na área da gestão.

O cenário do Terceiro Setor no Brasil sofreu diversas transformações ao longo do tempo, para que fosse possível permanecer em um ambiente competitivo, garantindo a continuidade da missão institucional, captando recursos, e buscando a autossustentabilidade. Para alcançar uma gestão organizacional efetiva, as organizações sociais tiveram que implantar melhorias, capacitando seus dirigentes e toda equipe.

 

Diante da situação que apresenta diversas dificuldades para o alcance de uma gestão eficiente e eficaz, buscamos responder a seguinte questão: o terceiro setor possui práticas de gestão para enfrentar as dificuldades e desafios do seu cotidiano atual?

 

Na década de 70, o desafio do Terceiro Setor na América Latina era as ações direcionadas tanto para o desenvolvimento comunitário quanto para as atividades no âmbito do consumo, educação e saúde. Na década de 80, houve um aumento da inflação e intensificação da pobreza, levando o Banco Mundial a ver nas ONGs uma solução para as dificuldades do desenvolvimento social, e as instituições do terceiro setor se viram forçadas a reconsiderar sua missão, ações e funcionamento.

 

Hoje, as organizações da sociedade civil – OSC – têm sido desafiadas a se manterem sustentáveis num contexto de crise sanitária (saúde x pandemia), política, econômica e social. Para o desenvolvimento da missão, visão e valores, as entidades precisam contar com pessoas, parcerias com empresas, governo, apoio de instituições religiosas e também, gerar renda própria, empreenderem em negócios sociais, e outros.

 

Leia também:
+ ESG e as parcerias entre organizações sociais
+ Sustentabilidade financeira das organizações

 

De forma objetiva, elenco os desafios da gestão, que percebemos na maioria:

  • Clareza sobre a melhor forma de estabelecer seus objetivos e metas para que sejam analisados os resultados obtidos;
  • Fragilidade das equipes compostas por colaboradores e voluntários que, nem sempre, apresentam todas as habilidades e competências necessárias para as funções, bem como a limitação do próprio setor em buscar e remunerar profissionais em nível de mercado;
  • Escassez de recursos versus dificuldade de manejo e adequação para uso dos incentivos e benefícios fiscais;
  • Relacionamento com doadores, parceiros e investidores;
  • Se manter inovadora, atualizada, competitiva e sustentável no contexto da transformação digital com acesso limitado a recursos e tecnologia.

No tocante a todos os desafios supracitados, vamos focar um pouco mais no que tange à transformação digital, visto que no relatório da Status of UK Fundraising com entidades em todo o mundo, mais de 50% disseram que um dos principais desafios estava em acompanhar o ritmo da tecnologia.

 

O termo transformação digital pode parecer intimidante, mas significa apenas repensar como a organização usa a tecnologia para melhorar a maneira como as pessoas e os processos trabalham juntos. E, quando usada da maneira certa, a tecnologia pode ter uma repercussão positiva em toda organização.

 

Leia também:
+ Inovação para o Terceiro Setor: com qual recurso?
+ Descubra como vencer a procrastinação

 

E quais os desafios da gestão do Terceiro Setor na promoção da transformação digital?

 

Falta de recursos e experiência – Sim, uma transformação deve fazer uma melhoria perceptível, mas isso não significa uma revisão completa de todas as tecnologias e sistemas existentes. Sejamos realistas sobre o que podemos alcançar rapidamente e aí podemos estabelecer uma estratégia de longo prazo para lidar com outras questões ao longo do tempo.

Integração de legado – Se temos os mesmos sistemas em funcionamento há décadas, pode levar tempo e esforço para qualquer atualização. Devemos nos concentrar no objetivo final e no que estamos trabalhando, lembrando que quanto mais deixarmos os processos antigos ou interrompidos no lugar, mais difícil será resolvê-los.

Relutância interna em adotar novas tecnologias – Infelizmente, quando se trata de mudanças, normalmente haverá alguém relutante em adotar novas tecnologias. As pessoas costumam rejeitar o novo por medo de não entender ou de que seu conhecimento se torne obsoleto.

Sistemas isolados que impedem a troca de dados – Se tivermos vários sistemas instalados, será mais difícil mesclá-los para um processo mais eficiente. Mais uma vez, é um momento para lembrar que, se não temos a resposta, a solução pode ser contratar alguém que tenha.

 

As instituições que repensaram seus processos já entenderam que precisam de apoio de tecnologias para exponencializar sua capacidade de atendimento. Precisamos trabalhar o atendimento incluindo redes sociais, aplicativos de mensagens, bem como o atendimento por voz e presencial, machine learning, big data e inteligência artificial de forma suave e contínua para oferecer uma experiência mais rica e completa, proporcionando o melhor dos dois mundos aos seus clientes e desenvolvimento dos negócios.

 

Demanda recursos e investimento? Sim. Logo, a importância de se conectar com o segundo setor, que tem várias soluções eficientes, que cuida bem de sua missão de negócios e pode, ou atualmente, até deve, apoiar ações das instituições sem fins lucrativos a fim de mostrar à sociedade como um todo o seu compromisso não apenas com o lucro, mas com o desenvolvimento e formação de pessoas e lugares melhores. E as lideranças precisam orquestrar uma rede de ajuda e ações, que tornem o processo de transformação digital mais sistemático e ágil.

 

Autor: Clever Murilo Pires – CEO do Livres

Translate »
Iniciar conversa
Podemos te ajudar?
Olá!! Como podemos te ajudar?