Fale com o Instituto: (11) 9.8542-6677 (11) 2532-7747

Os riscos de resistir às transformações que estamos vivendo

Quais os riscos de resistir às transformações que estamos vivendo

Você tem ideia dos riscos de resistir às transformações que estamos vivendo? Parece que não tem jeito e precisaremos, realmente, mudar.

Não vamos falar da crise mundial, sanitária ou econômica. Nosso tema é a crise antropológica, o jeito de viver, trabalhar, consumir, de ter e de ser. Vamos falar de como fazemos o Brasil, o nosso Brasil. Para isso, trouxemos um artigo da colunista Betania Tanure sobre os riscos de resistir às transformações que estamos vivendo no nível individual, organizacional e social.

Em certo momento de nossa história, ligamos o piloto automático e fomos em frente, produzindo, ganhando (ou perdendo) dinheiro, colecionando sucessos, escondendo os insucessos, impelidos por prioridades trazidas pela tecnologia, pelo “outro”, e não por nós mesmos. Fechamos os olhos para os brutais efeitos disso no meio ambiente e na desigualdade social, que a atual crise escancarou. Os que me conhecem sabem que não sou pessimista. Ao contrário, minha vida é pautada por muita esperança. Mas neste momento, temos de admitir, estamos no limite de uma ambiência fragilmente “equilibrada” do ponto de vista social.

Adicionado a tudo isso, o nível de exaustão das pessoas pode ter atravessado a fronteira do razoável. Não debite tudo ao trabalho excessivo. Outras causas existem, como a toxicidade da “quarentena” para as relações afetivas ou sociais, o medo da doença e o excesso de notícias negativas nas mídias. Sem contar a necessidade frustrada de lazer, além da multiplicidade de opções de lives que já não se consegue assistir. O que fazer para sair do espaço problema e ir para o espaço solução? Comece respirando fundo e acelerando o passo para mudar o seu fluxo natural. Como? Criamos um modelo que se aplica ao nível individual, ao organizacional e ao social.

1. Consciência. Este é o nível da sua racionalidade. Se você não compreendeu ainda que, como todos nós, precisa mudar, sua situação é muito grave. Passaram-se cinco meses e olhe à sua volta. Veja o que acontece com os que resistem à mudança, note quão rapidamente se perde espaço.

2. Desejo. É a voz do coração. Reconheça os poderosos estímulos vindos de todos os lados. Quem não muda, morre. Isso vale para o indivíduo, as organizações e grupos sociais ou políticos. Outro estímulo, positivo e que vem de dentro, é a forte vontade de (se) reconstruir. Permita que ela mova você.

3. Competência. Hoje, muitos dos conhecimentos e ferramentas que usávamos com sucesso perderam função e valor. Vivemos um risco duplo. Mas isso não nos dá a “licença poética” de nada saber ou de errar o tempo todo. O risco aqui é perder o rigor da análise e da preparação individual, sob o argumento, fraco porque só parcialmente verdadeiro, de que tudo é novo e é preciso experimentar. Não é bem assim. O desafio é estar aberto sem se deixar paralisar pelo medo ou fazer do risco uma justificativa para mau resultado.

4. Simplesmente agir. Na implementação da mudança, da sua mudança, é fundamental o equilíbrio entre colaboração, protagonismo e accountability. Os dois primeiros traços se mostraram em alta em pesquisa que realizamos com 532 executivos, publicada no Valor: para 95% dos entrevistados a colaboração está em crescimento e para 70% o protagonismo também cresce. Esses traços merecem atenção pois não serão incorporados naturalmente à cultura. Será preciso método. O fazer coletivo é um imperativo do negócio. Cuidado para que isso não contribua para desaparecer a accountability, característica frágil na cultura brasileira.

Não se esconda no coletivo. Não faça “de qualquer jeito” sob o argumento de que o ambiente é complexo ou é preciso ser ágil. Você tem, individualmente, seu espaço de ação e de conciliação, responsabilidade, profundidade de análise, agilidade, colaboração e accountability, estruturação responsável e flexibilidade para “pivotar” sempre que necessário. A sua mudança inclui conciliar o que antes parecia inconciliável!

Pesquisa da Rede do Bem com organizações do Terceiro Setor mostrou que 67% das OSCs tiveram em abril redução de mais de 50% da receita; 83% correm o risco de fechar permanentemente; e 89% relataram piora na condição de subsistência das famílias atendidas pelos projetos.

Para o Livres não foi diferente. Vimos nossa receita cair 87% e o risco eminente de fechamento da missão muito próximo. Buscamos nos adaptar rapidamente, adotando a Campanha SOS, para que nossos doadores e apoiadores pudessem nos ajudar a reverter esse quadro. Graças a Deus e à solidariedade de muitos, ainda estamos conseguindo nos manter ativos.

Corremos risco? Sim! Mas não estamos deixando desamparadas as milhares de famílias no sertão que dependem dos nossos esforços. Buscamos novos recursos, novas formas de captação e estamos seguindo em frente, com ajustes na equipe, sim, redução dos salários, fornecedores e outras medidas que nos são necessárias nesse momento.  Se você pode nos ajudar a continuar nesse momento, se torne um parceiro doador recorrente!

Betania Tanure é doutora, professora e consultora da BTA

Fonte: Valor Econômico

Translate »
Iniciar conversa
Podemos te ajudar?
Olá!! Como podemos te ajudar?